AEB recebe servidores efetivos após 22 anos de criação

Após 22 anos de criação, a Agência Espacial Brasileira (AEB) preencheu os primeiros cargos efetivos da instituição. Em 2 de junho, foi assinada a Portaria no 57, que nomeou os primeiros 43 profissionais próprios da instituição, aprovados no concurso iniciado há dois anos. Até esse momento, a AEB utilizava somente profissionais emprestados de outros órgãos para desenvolver seus projetos, voltados sobretudo à implementação da Política Nacional de Desenvolvimento das Atividades Espaciais (PNAE).

O resultado do primeiro processo seletivo público para servidores da AEB foi homologado em março de 2015, para o preenchimento de 66 vagas. O número é parte das 142 vagas que foram solicitadas, à época, ao antigo MCTI. Marco Antônio Rezende, diretor de Transporte Espacial e Licenciamento, afirma que os concursados vêm preencher uma lacuna que é percebida há anos. “Por termos um quadro pequeno, estamos trabalhando com alto índice de estresse”, diz. Ivanil Elisiário Barbosa, presidente do SindCT, considera “um absurdo” o fato de a instituição responsável pela coordenação do Programa Espacial Brasileiro não possuir, até então, um quadro próprio de servidores. E considera insuficiente a dotação inicial de servidores.

“A AEB é um órgão sem prestígio, sem propostas, sem articulação e, mesmo com estas poucas contratações, sem pessoal suficiente para conduzir a sua missão”, avalia.

Compartilhe
Share this

testando