Pé diabético, doença grave que pode ser evitada

CUIDADOS SÃO FUNDAMENTAIS

João Batista de Oliveira

Conjunto de alterações anatômicas e funcionais, decorre de complicações vasculares tardias do diabetes mal controlado. A neuropatia periférica pode levar de 10 a 20 anos para se manifestar, já como lesão irreversível.

O diabetes mellitus é uma doença que afeta os mais variados órgãos e sistemas, levando ao final de anos, caso não bem controlado de forma contínua, a lesões irreversíveis e até amputações.

O pé diabético é uma dessas graves lesões. Trata-se da denominação para um conjunto de alterações anatômicas e funcionais e com acometimento neurológico periférico, decorrente das complicações vasculares tardias do diabetes mellitus mal controlado. A perda da sensibilidade nos pés (também conseqüência tardia do tratamento inadequado – e já irreversível), faz com que o paciente não se dê conta das lesões que vão ocorrendo e que favorecem feridas, úlceras, infecções as quais podem evoluir para isquemia, gangrena e amputação. Se você ou um parente é diabético, fique atento às seguintes alterações nos pés:

• diminuição de reflexos

• insensibilidade à dor ou mudança de temperatura

• formigamentos nos pés

• dor nos pés que piora quando em repouso

• dor em queimação

 

Cuide de seus pés

Caso você seja portador de diabetes, prevenção é o fundamental para evitar o pé diabético. Examine os pés diariamente em um local com boa iluminação; caso não consiga sozinho, peça ajuda de alguém; olhe em cima, dos lados, na sola, as unhas e especialmente entre os dedos. Busque por frieiras, cortes, calos, rachaduras, feridas. Corte as unhas adequadamente a cada 4 semanas, em corte quadrado, e passe lixa para arredondar pontas.

Evite calor local; não utilize bolsa de água quente ou escaldapés. Use hidratante diariamente nos pés, de duas a três vezes ao dia, especialmente após o banho; porém, não deixe a umidade do hidratante entre os dedos.

Não utilize calçado sem meias; e as meias devem ser sem costuras e de algodão; não utilize meias de nylon. Use calçados fechados, confortáveis, não apertados e de solado rígido; mulheres devem usar salto quadrado de até 3 cm, bem como evitar os calçados de ponta fina e sandálias; calçados novos não devem ser usados por mais de uma hora no dia. Não ande descalço, pois isso pode favorecer traumas. Seque bem os pés após o banho.

Evite manter as pernas cruzadas; se for permanecer sentado por muito tempo, mexa os pés a cada trinta minutos, inclusive durante viagens. Realize caminhadas, porém com calçados adequados.

O tratamento do pé diabético não é fácil, devido à insuficiência circulatória instalada. Haverá necessidade de tratamento medicamentoso sob prescrição médica tanto para essa deficiência da circulação, quanto para obter a cicatrização de lesões de pele, das úlceras e das infecções. Só utilize remédios prescritos pelo médico.

 

Compartilhe
Share this

testando