Bem-vindos servidoras e servidores do Cemaden!

Foram inauguradas oficialmente, em 28 de fevereiro último, as instalações do Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais (Cemaden), nas dependências do Parque Tecnológico de São José dos Campos. O órgão, vinculado ao Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI), realizou concurso público em 2014 e contratou 75 novos servidores, sendo 20 analistas de C&T, 40 tecnologistas e 15 pesquisadores.

Estes novos servidores e servidoras passam assim a compor a base do SindCT, que já reúne os servidores do DCTA e Inpe. Fazemos questão de abrir esta edição do Jornal do SindCT dando as boas vindas aos novos colegas da Carreira! O Programa Espacial Brasileiro (PEB) é fruto da dedicação coletiva e abnegada de um grande número de servidores públicos.

Temos procurado colher e divulgar o depoimento desses protagonistas, que possuem a “ciência espacial nas veias”, por meio de entrevistas e matérias publicadas no Jornal do SindCT.

Nesta edição relatamos a dedicação de toda uma vida à causa da conquista espacial e do desenvolvimento soberano do país: estamos falando do engenheiro aposentado Dr. Jayme Boscov, do DCTA, que nos brinda com um depoimento exclusivo nas p. 6 e 7. Boscov foi coordenador dos programas de veículos lançadores de satélites, tendo atuado no desenvolvimento da série de foguetes SONDA, bem como no programa VLS.

Embora afastado das atividades profissionais há mais de vinte anos, ele consegue resumir em poucas palavras o atual estágio do PEB: “diletantismo e anacronismo perduram até hoje no segmento VLS, sob a responsabilidade da AEB”.

A edição segue repleta de informações e análises, como o surpreendente avanço do programa espacial argentino, que ampliou os investimentos no setor de US$ 100 milhões em 2008, para US$ 1,2 bilhão em 2013.

Desde então, o programa espacial argentino vem colhendo importantes resultados, como a colocação em órbita, em 2014, do primeiro satélite geoestacionário projetado, integrado e testado inteiramente na América do Sul, e a inauguração de seu laboratório para testes ambientais de satélites, o Centro de Ensayos de Alta Tecnología S.A. (Ceatsa), de propriedade das estatais Arsat (80%) e Invap (20%), ao custo de US$ 40 milhões. Por conta de uma decisão estratégica dos governos Kirchner, com uma gestão séria e competente do seu programa espacial, a Argentina hoje exporta equipamentos e serviços da área espacial para o Brasil, tendo inclusive retomado seu programa de desenvolvimento de veículos lançadores, com o foguete Tronador.

A matéria está na p. 3. HSBC e golpismo Esta edição dedica as p. 8 e 9 ao escândalo financeiro relativo às contas secretas descobertas na filial suíça do banco britânico HSBC, escândalo conhecido como SwissLeaks. Do total de US$ 100 bilhões em contas bancárias secretas, pertencentes a 106 mil clientes de 203 países nos anos de 2006 e 2007, nada menos do que US$ 7 bilhões e 6.606 contas pertencem a 8.667 clientes de nacionalidade brasileira.

A grande mídia, que tem dado destaque à quadrilha de corruptos que atuava na Petrobras desde o governo FHC, neste caso ficou misteriosamente calada. O SwissLeaks repercutiu no exterior, mas no Brasil os principais jornais e emissoras de TV pouco falam dele. Razão desse “silêncio seletivo”: entre os donos brasileiros das contas do HSBC constam diversos proprietários dos conglomerados de mídia, ou seus parentes: grupo Folha, grupo Globo, grupo Bandeirantes etc.

Por fim, esta edição traz uma avaliação preliminar das manifestações nacionais de rua ocorridas nos dias 13 e 15 de março, na p. 12. As manifestações do dia 13 — convocadas por CUT, UNE, Central de Movimentos Populares (CMP), Movimento dos Trabalhadores Rurais sem Terra (MTST) e outras entidades e movimentos — tiveram como mote a defesa da democracia, da Petrobras e dos direitos trabalhistas. Porém, as manifestações do dia 15, convocadas pelas redes sociais e principalmente pela grande mídia, tiveram objetivos difusos, com destaque para o fim da corrupção e para o impeachment ou saída imediata da presidenta Dilma Rousseff.

Uma parte dos que foram para a rua no domingo 15, com apoio ostensivo da Rede Globo, flertaram com o golpismo e pediram a volta da Ditadura Militar. Isso é péssimo para a democracia.

 

ACS perto do fim?

Uma notícia que circulou na mídia comercial e que, a depender dos seus desdobramentos, será pautada nas próximas edições do Jornal do SindCT é a decisão que o governo teria tomado, de início apenas nos bastidores, de pôr fim à empresa estatal brasileiro- ucraniana Alcantara Cyclone Space (ACS), criada com o objetivo de fazer lançamentos comerciais de satélites a partir da base de Alcântara, no Maranhão, por meio do foguete ucraniano Cyclone- 4.

A medida estaria relacionada ao “ajuste fiscal” do governo. O Jornal do SindCT há muito vem denunciando mais este projeto delirante do PEB, que drenou cerca de R$ 1 bilhão do setor espacial, mas só produziu um amontoado de concreto e ferros contorcidos hoje expostos à ação das intempéries e da maresia da bela cidade de Alcântara.

Aliás, quem irá pagar por mais este prejuízo? Apenas a Viúva? Vai-se repetir, guardadas as proporções, o desfecho da tragédia do VLS em Alcântara (2003), sem que ninguém seja responsabilizado?

É neste cenário de crise política, disputa de projetos e “ajuste fiscal” que a Carreira de C&T e os demais setores do funcionalismo público federal darão início às suas campanhas salariais no ano de 2015.

A inflação dos últimos anos já corrói mais de 20% dos salários dos servidores, que ainda carecem de reajustes nas contribuições indenizatórias (como auxílio alimentação e auxílio transporte), além de mais vagas para concurso público, de modo a recompor a força de trabalho dos vários órgãos do governo ligados à Boa leitura! área de C&T.

Compartilhe
Share this

testando