Editorial

Nem tudo é ruim, há boas notícias!

 

Termina 2013, é hora do balanço.

Nem tudo é ruim: o Brasil, um país de grandes contrastes e dificuldades, seguiu avançando. O país deu um enorme salto no ranking das maiores economias do mundo, só com programas de transferência de renda, que apenas arranharam a enorme disparidade entre ricos e pobres.

Há muito emprego e a economia não sucumbiu aos bravios ventos vindos do velho mundo.

 

Paradoxalmente, o IBGE divulgou em 29/11 números da tal geração “nem nem”: 9,6 milhões de jovens brasileiros que não têm o mínimo interesse nem por estudar nem por trabalhar, uma ferida aberta não é de hoje. Nem nos lembramos mais da exigência de testes de admissão para a escola pública, hoje sucateada por décadas de descaso. Antigamente era vergonha ter que ir para a escola particular! Certamente o Brasil é tão grande que confunde os gestores públicos: onde pôr o dinheiro? Entretanto, educação é “fundamental”, para combater a falsa alfabetização (que resulta em analfabetismo funcional).

O trágico é que ninguém mais quer ser professor, uma das piores carreiras dos três níveis de governo.

Cadê o choque na educação? Deve ter faltado força. Em meio a estas desanimadoras notícias, um alento: o satélite CBERS 3 seria lançado em 9 de dezembro; há previsão de lançamento do CBERS 4 em 2015; e o Sisnav, versão de certificação do sistema de navegação do VLS, será lançado em 2014. São boas notícias sobre as quais devemos nos apoiar para finalizar o ano com esperança e fé. Feliz Natal, Próspero Ano Novo.

 

Compartilhe
Share this

testando