Concurso Público para DCTA tem 241 vagas

Concurso Público para DCTA tem 241 vagas

há vagas! DCTA abre concurso

Por Fernanda Soares
Governo autoriza a reposição de 241 servidores no DCTA. As vagas fazem parte de um pacote de 800, apresentadas no plano de contratações do DCTA até 2015.

A reposição de pessoal no DCTA e no Inpe está sempre em pauta na campanha salarial do SindCT.
Conforme publicado na edição 19 do Jornal do SindCT, A situação nos institutos de pesquisa da C&T está crítica na questão de recursos humanos.

O DCTA enfrenta um significativo déficit de servidores há mais de10 anos. Projetos de desenvolvimento e de pesquisa deixaram de ser continuados por absoluta falta de pessoal. Alguns serviços altamente rentáveis para a união deixaram de ser oferecidos pelo instituto devido à falta de funcionários, como ocorreu no IFI quando solicitou ao INMETRO a desacreditação referente à NBR 15100. Falta absoluta de pessoal para a gerência, operacionalização e execução de serviços, altamente especializados, onde antes havia recursos humanos e os quadros foram se acabando, a ponto de não haver quem fizesse este tipo de trabalho.

Nos últimos dez anos o SindCT tem procurado trabalhar esta questão nos mais altos níveis de escalão no serviço público federal, tendo contatado ministros da defesa, da Ciência e Tecnologia, Comissões de Ciência e Tecnologia da Câmara e do Senado Federal, tendo inclusive durante o segundo turno da campanha presidencial, em 2010, abordado o então Presidente Lula, e e este entregue documento mostrando o problema e solicitando apoio e ação para reverter o quadro.

A presidência da República encaminhou resposta com dados, mostrando que entre 2008 e 2010 fornecerá mais de 1400 vagas para o MCTI e MD (ou seja, foram dadas as vagas, cobrem seus ministros).

Por diversas oportunidades o SindCT sentou-se à mesa em audiências públicas na Câmara Federal e Senado, participou de discussões e denunciou o abandono do material humano e do conhecimento na carreira e em especial o setor espacial. Muita luta houve, só não houve resposta efetiva.

O SindCT avalia que, para manter todos os atuais projetos em andamento pleno, seriam necessárias a reposição de 1450 vagas para cobrir o déficit.
Há a previsão de aposentadoria de 1.200 servidores nos próximos 2 anos, aumentando ainda mais esse déficit número.

A maior reclamação dos servidores em vias de se aposentar, experientes e conscientes da importância de seus trabalhos, é não ter para quem transmitir o conhecimento e a experiência adquiridos ao longo dos anos. As poucas contratações, quando realizadas, ocorrem muito tempo após a saída do servidor, evaporando-se o conhecimento adquirido em dezenas de anos de trabalho.

A consequência da ausência e do atraso nas contratações é a interrupção, atraso ou até de encerramento de projetos valiosos, como o VLS, que apresenta sucessivos adiamentos de seu lançamento. Ocorre ter que começar do “zero” o que antes já havia sido desenvolvido, trazendo inclusive os prejuízos financeiros.

Numa empresa bem administrada, ou pelo menos administrada com seriedade, gerente nenhum, patrão nenhum permite que o conhecimento da atividade vá embora, no pior caso, substitui em tempo hábil para haver a passagem deste conhecimento. Para a Ciência e Tecnologia este procedimento não existe, a C&T não é levada a sério.

O plano de contratações no DCTA, com 800 vagas para os próximos 3 anos, visa tentar amenizar parte déficit de servidores e cabe ressaltar que a “briga’ é imensa na disputa por estas vagas.

Um ponto que merece destaque é no âmbito dos Institutos, onde paliativamente procura-se atenuar o imenso déficit, com bolsistas, que continuam estudando e desempenhando atividades de servidores, seja a nível de graduação mais mestrado e doutorado.

Estes indivíduos permanecem em atividade por mais de 10 anos naquela função, naquele grupo, naquele Instituto, onde seleção maior não poderia existir, ficando totalmente preparado para exercer a função, porém na maioria dos casos não são criadas vagas para o cargo e função que este elemento exerce, não podendo assim concorrer e ser aproveitado.

As 241 vagas abertas para o próximo concurso não repõem os servidores que já deixaram o serviço público, seja por aposentadoria ou em busca de oportunidades mais vantajosas, mas é o primeiro passo para que o DCTA volte a ser um centro de pesquisa e excelência a plena força.
Cabe ressaltar que os problemas no DCTA são os mesmos no INPE, só que o MCTI não tem pressa em repor os quadros do INPE, tanto é que de um total de mais de 500 vagas, o INPE só recebeu 107, com ressalvas.

As inscrições para o concurso no DCTA podem ser feitas das 10h de 18 de março às 16h de 26 de abril de 2013, exclusivamente pelo site www.vunesp.com.br. A taxa varia de R$ 60,00, para pesquisador, tecnologista e analista em C&T, e R$ 90,00, para os cargos de técnico e assistente em C&T.

Compartilhe
Share this

testando